Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1917
Pará de Minas 13/05/2022


exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

“FIQUEI LIGADA A UM MONTE DE APARELHOS, MAS NÃO TINHA MAIS O CÂNCER NO MEU CORPO”

exclusivo

O mais tradicional evento cultural da cidade debateu sobre a VIDA PÓS-PANDEMIA

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

LEVINO DA COSTA DE JESUS, 115
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“Por ser sério, o GP Jornal é muito respeitado na cidade!”
JOSÉ IRINEU SILVA, empresário.

Notícias

O SUSTO DA VOLTA DA FALTA D’ÀGUA

Apesar de toda chuva ocorrida em Pará de Minas, no dia 29, a população começou a reclamar novamente da falta d’água, em alguns bairros da cidade. O abastecimento foi interrompido devido à identificação da alteração nos padrões de qualidade da água nos mananciais locais. Para saber mais sobre esse terrível problema que volta a assombrar a cidade, a reportagem GP conversou com o gerente de operações da Águas de Pará de Minas, Tiago Santana. Informe-se.

“Nossa equipe identificou que a captação de água bruta estava fora dos padrões de qualidade e houve a necessidade de interrupção da captação dos mananciais. Dessa forma, a gente voltou a usar o Sistema Paraopeba, mas tudo foi restabelecido, normalizado ao longo do dia seguinte. Mostramos, mais uma vez, que esse foi um investimento muito acertado”, orgulha-se Tiago.

USO INCORRETO? – “Não, não teve isso de uso incorreto de materiais para a purificação da água. Nós já tivemos um problema, há mais ou menos um mês, com a mortalidade de peixes no ribeirão Paciência. Agora, voltamos a ter os mesmos índices, a ponto de não poder usar a captação. Mas nós já fizemos uma coleta e mandamos para a anélise e, dentro de 10 dias, devemos ter o resultado para identificarmos onde pode estar acontecendo. Gostaria, através da GAZETA, de solicitar que a população nos ajude, denunciando na secretaria do meio ambiente (3231-7878), se souber de qualquer situação desse tipo. Afinal, a população não pode ficar sem água, por causa de uma ação impensada”. 

Mais da Gazeta