Selo GP - Rodrigo Roreli Laço
Fundação:
Francisco Gabriel Bié Barbosa
Alcance, credibilidade e
imparcialidade,
desde 84
ANO 38 - Nº 1923
Pará de Minas 24/06/2022


exclusivo

UNIVERSO FAPAM

exclusivo

GERANDO PERGUNTAS

exclusivo

GIRANDO POR AÍ

exclusivo

GOL DE PLACA

exclusivo

GOSTOSURAS PRÁTICAS

exclusivo

SOCIEDADE GP

exclusivo

GENTE PEQUENA

exclusivo

GALERA PARTICIPANTE

exclusivo

GOTA POÉTICA

exclusivo

GRANDE PATRIMÔNIO

exclusivo

GALERA PLANTONISTA

exclusivo

GRITO POPULAR

exclusivo

GENTE PENSANTE

exclusivo

ATÉ AQUI,FATALIDADE ASSIM SÓ ERA VISTA NO FILME PREMONIÇÃO

exclusivo

HISTÓRIA DE VIDA

VERA LÚCIA SENA VALADARES
Adoro o GP Jornal

TÁ NA GAZETA? TÁ NA HISTÓRIA!

“O GP Jornal é informação e entretenimento, com qualidade e confiabilidade!”
VINÍCIUS PEREIRA DOURADO, médico cardiologista

SIRIRICAS INVADEM A CIDADE E SAQUEIAM OS PATAFUFOSSIRIRICAS INVADEM A CIDADE E SAQUEIAM OS PATAFUFOS

       SOFÊIC NILS (*)
SIRIRICAS INVADEM A CIDADE E SAQUEIAM OS PATAFUFOS

SOFÊIC NILS (*), colaborador que só escreve fake news (notícias falsas). Seu lema: “VOCÊ NÃO SABE QUEM SOU EU, MAS EUZINHA SEI TUDO SOBRE VOCÊ”!



Gentalha de Deus! Como se não bastasse a concorrência local, agora os siriricas (segundo minha mãe, trata-se de um nome pejorativo dado pelos pará-minenses ao itaunenses, nos Anos 60, por causa de disputas esportivas) estão invadindo Pará de Minas para realizar festas populares. Primeiramente, teve uma no Parque do Bariri e agora outra, no parque de exposições. Vamos acordar, pessoas?Isso é odinheiro nosso saindo daqui para ir para a vizinha cidade. Sem falar no prejuízo que tem dado à vida noturna daqui, como bares, restaurantes e boates, que não faturam nada com essas festas. Hoje, então, vou enumerar algumas coisitas sobre o tal Nosso Fervo realizado no parque de exposições. Segura, peão: 1) antes de chegar à festa, fiquei chocadérrima com o tanto de blitz policiais, cercando pessoas bêbadas ao volante; 2) ao chegar, me deparei com uma fila que dava volta no estacionamento, por sinal cheio de mato e muita sujeira. Claro que euzinha, colunista poderosíssima, furei fila, com facilidade; 3) ao entrar, fui direto para o camarote, porque sou chique, mas estava cheio de gentalha lá misturada com a granfinagem. Havia dois seguranças que nem checando as pulseirinhas estavam e estavam deixando qualquer um entrar. Credo! Ficou tão lotado que nem dava pra andar...; 4) quando o show começou, deu falha nas caixas de som que saiu super baixo; 5) já desanimada, fui comprar uma bebida para ficar louca e a cerveja estava sendo vendidas a 15/18 reais a garrafa. Como se não bastasse, quente pra dedéu! A dose de vodka, então, estava sendo vendida a 35 reais e só com um pingo da bebida russa. E o pior vem agora: tinha de pagar mais 10 reais pelo copo. Isso sem falar nos combos de bebida que iam de 350 a 1.000 reais. E as lounges estavam sendo vendidas a partir de 8 mil reais. Não tem como não soltar uma bomba: BUUUMMM!!! * 6) Mas não acabou não. O camarote, que sempre é um lugar bacana, onde a plateia paga para ter uma visão melhor do evento, ficou de costas para o cantor. Ao perceber aquilo o que eu fiz? Claro, desci para a pista e fiquei lá, no meio do povão, senão nem os shows eu iria ver e eu adoooro o cantor Zé Felipe! Ui!!! * 7) Fora tudo isso, a festa acabou antes das 6 da matina... As coisas boas deixo para os colunistas sociais falarem, porque essa, definitivamente, não foi, não é jamais será a minha praia!

A PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR - Você acha certo uma festa popular - o nome já diz que é para o povo - cobrar caro desse jeito?

ATÉ BREVE! E DE LEVE...

Você não sabe quem sou eu, mas euzinha sei tudo sobre você!

(*) Colaborador que só escreve fake news (notícias falsas).


Mais da Gazeta